10 janeiro 2015

[Resenha] O Retrato - Charlie Lovett


Sinopse - Um livro para aqueles que amam os livros. 1995. A morte precoce de Amanda Byerly foi um golpe duro, que encheu de tristeza o coração de seu marido, Peter. Mais introspectivo do que nunca, ele decide deixar os Estados Unidos e se instalar na Inglaterra, onde passa a se dedicar à recuperação e à negociação de livros raros. Em um de seus dias de pesquisa solitária, Peter se depara com o retrato de uma jovem muito parecida com sua amada esposa, guardado dentro de um livro. A semelhança impressiona, mas a aquarela foi pintada há muito, muito tempo. Trilhando um sinuoso caminho entre a era vitoriana e o final do século XX, Peter passa a investigar a origem do misterioso retrato. As pistas acabam por levá-lo a se envolver em um mistério histórico: uma obra perdida do dramaturgo William Shakespeare. "O Retrato" é uma fascinante mistura de suspense e paixão que nos convida a viajar no tempo, no rastro de histórias sobre livros.




Quando nos deparamos com uma sinopse tão apaixonante quanto essa escrita em "O retrato", é natural que automaticamente as expectativas sobre a história sejam altíssimas. Infelizmente, o enredo ficou um pouco travado graças ao excesso de informações e descrições.

Peter é um homem introspectivo, que prefere livros à pessoas (alguém se identifica? rs). Apaixonado assumido pelos livros, ele trabalha na biblioteca da faculdade quando conhece Amanda. Amanda se torna a primeira pessoa pela qual Peter sente-se bem com a companhia.

Os dois se casam e Peter tem duas razões para viver: os livros e a sua amada esposa. Infelizmente, Amanda falece e Peter fica desnorteado. 

Como a sinopse explica, Peter muda para a Inglaterra e acaba encontrando um livro com a imagem de uma mulher praticamente idêntica a Amanda. E a partir daí, sua jornada começa...

O livro é bom, mas não é extraordinário. Como mencionei anteriormente, o excesso de informações acaba tornando a leitura arrastada e como consequência, o enredo perde um pouco do brilho.

Mesmo assim, é uma leitura interessante e ouso até dizer, um pouco diferente.


“- Diga-me, Peter, por que quer ser vendedor de livros?

- É minha paixão. Sei que pode parecer bobagem para algumas pessoas, mas é a maneira como quero mudar o mundo. Unir livros e pessoas que vão amá-los e preservá-los para a próxima geração”. (p. 316)

2 comentários:

  1. Olá!

    Eu também costumo sofrer com as expectativas que coloco nos livros, mas esse parece ter sido mais um problema de escrita do que realmente de enredo. Acho que faltou um pouco de revisão por parte do autor, e só não digo que vou ler porque tenho vários outros na minha lista, mas parece interessante.

    Beijos
    http://coolturenews.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu comecei a ler esse livro e parei a leitura, não me lembro bem o por que, mas estava gostando da leitura. Um personagem que ama livros, me identifiquei na hora...rs
    Gostei de sua resenha, em breve vou terminar de lê-lo, parece uma boa leitura para uma tarde de domingo despretensiosa.
    Beijos
    Viviane
    Razão e Resenhas

    http://vivianeblood.blogspot.com.br/2015/01/resenha-outlander-libelula-no-ambar.html

    ResponderExcluir

Ficamos muito felizes quando você comenta e nos faz saber no que erramos e acertamos. Comente! Isso é muito importante.

 
| Floreios e Borrões | Copyright © 2014 | Código by Ipietoon | Design Marcelle Dantas |