20 julho 2014

A abordagem gay na literatura infanto-juvenil.

O jornal O Globo escreveu uma matéria muito interessante sobre romances gays em livros infanto-juvenis no Brasil. A matéria apontava livros como "Menino de Ouro", "Minha Metade Silenciosa" e "Will e Will", de John Green e David Levithan.



A editora Galera Record divulgou a capa de "Garoto encontra Garoto" a uns dias atrás e o livro será lançado em agosto na Bienal do Livro de São Paulo. David Levithan era um dos autores citados no texto e falava da dificuldade que teve quando o livro foi publicado em 2003.  

O que se percebe com relação a esse tema é que hoje ele é bem mais aceito do que era a onze anos atrás, quando "Garoto encontra Garoto" foi lançado nos Estados Unidos. 

Vou deixar aqui as sinopses e capas de três livros que abordam essa temática.




A família de Max não permitiria nenhum desvio na imagem perfeita que havia construído. Karen, a mãe, é uma advogada renomada, determinada a manter a fachada de boa mãe, esposa e profissional. Steve, o pai, é o exemplo do chefe de família presente em sua comunidade, favorito a um importante cargo público. O ponto fora da curva é Daniel, o caçula, que, para os padrões da família Walker, é “estranho”: não é carinhoso, inteligente ou perfeito como Max. Melhor aluno da escola, capitão do time de futebol, atlético, simpático, sucesso entre as garotas: Max, o primogênito, é o menino de ouro. Ninguém poderia dizer que sua vida não é perfeitamente normal. Ninguém poderia dizer que Max esconde um segredo. 




Em uma noite fria, numa improvável esquina de Chicago, Will Grayson encontra... Will Grayson. Os dois adolescentes dividem o mesmo nome. E, aparentemente, apenas isso os une. Mas mesmo circulando em ambientes completamente diferentes, os dois estão prestes a embarcar em um aventura de épicas proporções. O mais fabuloso musical a jamais ser apresentado nos palcos politicamente corretos do ensino médio.









Stark McClellan tem 14 anos. Por ser muito alto e magro, tem o apelido de Palito, mas sofre bullying mesmo porque é “deformado”, já que nasceu apenas com uma orelha. Seu irmão mais velho, Bosten, o defende em qualquer situação, porém ambos não conseguem se proteger de seus pais abusivos, que os castigam violentamente quase todos os dias. Ao enfrentar as dificuldades da adolescência estando em um lar hostil e sem afeto – com o agravante de se achar uma aberração –, o garoto tem na amizade e no apoio do irmão sua referência de amor, e é com ela que ambos sobrevivem. Um dia, porém, um episódio faz azedar terrivelmente a relação entre Bosten e o pai. Para fugir de sua ira, o rapaz se vê obrigado a ir embora de casa, e desaparece no mundo. Palito precisa encontrá-lo, ou nunca se sentirá completo novamente. A busca se transforma em um ritual de passagem rumo ao amadurecimento, no qual ele conhece gente má, mas também pessoas boas. Com um texto emocionante, personagens tocantes e situações realistas, não há como não se identificar e se envolver com este poético livro.

E vocês? O que acham desse tema?

3 comentários:

  1. Tenho o costume de frequentar livrarias, na maioria das vezes apenas para olhar as novidades. Percebi um número considerável de livros com abordagem gay, e de fato, o assunto não está só nos livros. No meu ponto de vista, grande parte dos livros em questão só foram escritos para ingressar na moda atual da sociedade. Seja isso certo ou errado, é algo a ser observado.
    Como leitora, eu estou curiosa para ler um dentre os livros apontados acima.

    ResponderExcluir
  2. Acho que passou da hora dos autores perderem o medo de escrever livros sobre o amor. Pois sim, é sobre amor e não interessa quanto aos gêneros dos apaixonados.
    Faz-se muito alarde pois as pessoas não respeitam, e se isso for necessário então que seja.
    Li a trilogia O clã dos magos, lançado pela NC e lá autora dá muito enfase num personagem que sai do armário e tal, li muitas resenhas sobre a mesma trilogia e não vi os blogueiros falando nisso particularmente, quando na verdade a autora falou e muito sobre isso no livro. Enfim, o preconceito e o desconforto dos héteros pesa demais, e isso é triste.
    Adorei o post.
    Beijinhos
    Vivi

    http://vivianeblood.blogspot.com.br/2014/07/outlander-viajante-do-tempo-editora.html#comment-form

    ResponderExcluir
  3. Conheça As Crônicas de Miramar: uma saga de aventura com jovens superpoderosos que fala de preconceitos e mistérios com adolescentes, entre eles um gay e uma negra: http://igay.ig.com.br/2015-11-12/livro-de-ficcao-com-personagem-gay-consegue-financiamento-online.html

    ResponderExcluir

Ficamos muito felizes quando você comenta e nos faz saber no que erramos e acertamos. Comente! Isso é muito importante.

 
| Floreios e Borrões | Copyright © 2014 | Código by Ipietoon | Design Marcelle Dantas |