18 maio 2014

[Resenha] Azul da Cor do Mar - Marina Carvalho


Sinopse - Acaso, destino ou loucura? No caso de Rafaela, Pode ser tudo isso junto. Para alguém como ela, nada é impossível. Rafaela sonha desde a adolescência com o garoto que viu uma vez, perto do mar, carregando uma mochila xadrez... A idéia fixa não a impediu, porém, de ser uma menina alegre e muito decidida. Ela quer ser jornalista, e seu sonho está se concretizando: Rafaela Vilas Boas (um nome tão imponente para alguém tão desajeitado) conseguiu um estágio no melhor jornal de Minas Gerais. Mas, como estamos falando de Rafa, alguma coisa tinha que dar errado. O jornal é mesmo incrível, mas seu colega de trabalho, Bernardo, não é a pessoa mais simpática do Mundo. Em meio a reportagens arriscadas – e alguns tropeços -, Bernardo acaba percebendo, contra a sua vontade, que Rafaela leva jeito para a coisa... E que eles formam uma dupla de tirar o fôlego. Mas e a mochila? E o garoto, o envelope, as cartas? Um dia a estabanada Rafaela vai ter que se libertar dessa obsessão. 

Um simples encontro com o desconhecido quando criança, pode trazer uma mudança inesperado na vida adulta de Rafaela:

"Prendi a respiração e só notei que fiz isso quando o menino emergiu. Ele balançou a cabeça de um lado para o outro, feito um cachorro tentando se secar, e saiu da água. O envelope havia sumido. Ou ele o perdeu na hora do mergulho ou permitiu que fosse embora com as ondas. Vestiu a camisa sobre o corpo molhado e pendurou a mochila nos ombros. Foi nesse momento que seus olhos se ergueram e pararam nos meus. Eram azuis. Lindos. Abaixei a cabeça, com o rosto quente de vergonha. Quando voltei a erguê-la, o garoto da mochila xadrez já havia desaparecido do meu campo de visão" .(p. 7)

Rafaela conseguiu alcançar seus objetivos e está estagiando em um jornal de prestígio. Feliz da vida, não seria possível que algo desse errado né? Pois é, no caso da Rafaela seria estranho é possível sim! Como estagiária ela precisa ser sombra de Bernardo, um carinha que vai tentar a todo custo deixar claro para Rafaela que a "parceria" dos dois não vai dar certo. Entre várias confusões e discussões, "Azul da cor do mar" traz uma história viciante, divertida e com gostinho de quero mais.

Apesar de toda a implicância de Bernardo é impossível para o leitor não rir com ele. Através da visão de Rafaela, acompanhamos a jovem e suas amigas Alice, Sofia e Gisele na jornada do crescimento pessoal e na transição para a "vida de adulto".

Com cenas divertidas, uma protagonista apaixonante e um final irresistível "Azul da Cor do Mar" é leitura indispensável.

Em relação à revisão, diagramação e layout foi realizado um ótimo trabalho. A capa é fofa e traz aquele ar de romance, combinando com a história.

“Para mim, aquele trabalho foi uma lição de vida. É engraçado como nos acostumamos com determinadas situações a ponto de parar de refletir sobre elas. Na nossa concepção – pré-concebida a partir de estereótipos definidos pela sociedade -, bandido é bandido, mochinho é mocinho. Bem assim, separados, em lados opostos. Mas a linha divisória entre os dois mundos é tênue, permitindo muitas outras classificações. Portanto, casa vez mais entendo que o papel do jornalista extrapola a transmissão de notícias. Temos o dever de mostrar a realidade do jeito que ela é, sem subterfúgios”. (p.109) 

2 comentários:

  1. Oie!!!
    Jura que esse livro é divertido? Nunca pensei nisso. Na verdade, tanto a sinopse quanto a capa dizem o contrário. Só conheço uma prévia da escrita da Marina por conta do conto de carnaval que ela escreveu para NC. Gostei bastante e quero ler esse livro o quanto antes. Será que irei gamar de vez?

    Bjs!
    Zilda Peixoto
    http://www.cacholaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  2. Estou lendo e já amando! A Marina tira o melhor de nós!
    http://mygirlyandbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Ficamos muito felizes quando você comenta e nos faz saber no que erramos e acertamos. Comente! Isso é muito importante.

 
| Floreios e Borrões | Copyright © 2014 | Código by Ipietoon | Design Marcelle Dantas |