26 abril 2014

[Resenha] "Uma carta de amor" - Nicholas Sparks


Sinopse - Há três anos, a colunista Theresa Osborne se divorciou do marido após ter sido traída por ele. Desde então, não acredita no amor e não se envolveu seriamente com ninguém. Convencida pela chefe de que precisa de um tempo para si, resolve passar férias em Cape Cod. Durante a semana de folga, depois de terminar sua corrida matinal na praia, Theresa encontra uma garrafa arrolhada com uma folha de papel enrolada dentro. Ao abri-la, descobre uma mensagem que começa assim: “Minha adorada Catherine, sinto a sua falta, querida, como sempre, mas hoje está sendo especialmente difícil porque o oceano tem cantado para mim, e a canção é a da nossa vida juntos.”  Comovida pelo texto apaixonado, Theresa decide encontrar seu misterioso autor, que assina apenas “Garrett”. Após uma incansável busca, durante a qual descobre novas cartas que mexem cada vez mais com seus sentimentos, Theresa vai procurá-lo em uma cidade litorânea da Carolina do Norte. Quando o conhece, ela descobre que há três anos Garrett chora por seu amor perdido, mas também percebe que ele pode estar pronto para se entregar a uma nova história. E, para sua própria surpresa, ela também.  Unidos pelo acaso, Theresa e Garrett estão prestes a viver uma história comovente que reflete nossa profunda esperança de encontrar alguém e sermos felizes para sempre.

Quem já teve a oportunidade de ler alguma obra do escritor Nicholas Sparks sabe que é impossível terminar o livro e não se emocionar em algum momento da história. "Uma carta de amor" não é diferente, pois nesse livro observamos como os dois protagonistas, Theresa e Garrett, lidam com a perda. É claro que são dois tipos de perdas diferentes, mas que resultam em uma mesma situação: como lidar com a solidão e como aprender a seguir em frente.

Theresa é uma mãe solteira que tem uma vida agitada com o seu trabalho de jornalista e o seu dia a dia. Mesmo estando divorciada há algum tempo, não está completamente recuperada e de certa forma, usa o trabalho como uma ferramenta para descarregar as frustrações. É claro que em algum momento essa situação iria gerar um tremendo estresse e ela é convencida a tirar uma semana de férias para espairecer. É nesse momento, andando pelas areias da praia que ela encontra uma garrafa com uma linda mensagem. Comovida pela mensagem e pelo fato de existir um homem tão sentimental (e é claro com um empurrãozinho da melhor amiga) ela decide procurar Garret, o homem das cartas.

Garret é um homem solitário e amargurado que ainda não se recuperou da perda de Catherine. Sua vida é praticamente isolada do mundo e quando Theresa aparece em sua vida, o leitor fica emocionado com a interação dos dois. É um relacionamento mais maduro, em que não é focado a luxúria ou a atração apenas, mas sim o emocional. O modo como o escritor trabalha o lado emocional do livro é lindo e com certeza deixará muitos leitores com os olhos marejados.

"Mas agora, sozinho em casa, acabei compreendendo que o destino pode ferir alguém, assim como pode abençoá-lo, e fico perguntando por que, entre todas as pessoas no mundo que poderia ter amado, tive que me apaixonar por uma que foi levada para longe de mim." (p.48)

Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa é simples, mas muito bonita, apenas o casal é que aparenta ser mais novo do que o descrito no livro.

“Havia algo de sensual no corpo dela à luz do sol poente. O céu estava ficando alaranjando, e a luz quente lhe conferia uma aparência especialmente bonita, deixando seus olhos castanhos ainda mais escuros. Os cabelos dançavam de forma tentadora à brisa vespertina”. (p. 135)
  

2 comentários:

  1. Oie :)
    Ainda não li nenhum livro do Nicholas, mas tenho muuuita vontade!!!
    Todos os livros dele são sempre muito bem comentados e as resenhas são sempre super positivas! Amei a resenha ♥
    Não é um dos livros dele que eu fiquei com mais vontade de ler, mas parecer ser muito bom.
    Beijos
    http://cupcakedeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Não sou fan de carteirinha do Nicholas, gosto de alguns livros dele e sou bem específica ao dizer isso. Enfim... esse eu ainda não li e não sei quando darei uma chance. Vi o filme, amei demais... chorei litros.
    Sua resenha está nada mais do que poética, gostei da forma como vc descreveu tudo, sei que quando eu o ler vou chorar, já que fiz isso com o filme, vamos ver, a lista de não lidos está enorme, mas quando o ler te conto o que achei.
    Beijos
    Viviane
    Razão e Resenhas

    ResponderExcluir

Ficamos muito felizes quando você comenta e nos faz saber no que erramos e acertamos. Comente! Isso é muito importante.

 
| Floreios e Borrões | Copyright © 2014 | Código by Ipietoon | Design Marcelle Dantas |