07 janeiro 2014

[Resenha] Quando eu era Joe - Keren David



Imagine o que é perder, em uma única noite, sua casa, seus amigos, Como é possível viver mentindo sobre todas as coisas? Sua escola e até mesmo o seu nome. Aos 14 anos, Ty presencia um crime bárbaro num parque de Londres. A partir desse momento, tudo muda para ele: a polícia o inclui no programa de proteção à testemunha, e Ty é obrigado a assumir uma vida diferente, em outra cidade. O menino ingênuo, tímido, que costumava ser a sombra do amigo Arron, matricula-se na nova escola como Joe... E Joe não poderia ser mais diferente de Ty: faz sucesso com as meninas, torna-se um corredor famoso... Joe é tão popular que acaba incomodando os encrenqueiros da escola. Ser Joe é bem melhor do que ser Ty. Mas, logo agora, quando ele finalmente parece ter se encaixado no mundo, os atentados e ameaças de morte contra sua família o obrigam a viver no anonimato, em fuga constante e sob a pressão de prestar depoimentos sobre uma noite que ele gostaria de esquecer. Um livro – de tirar o fôlego! – sobre coragem e sobre o peso das consequências do que fazemos.


“Quando eu era Joe” é o livro de estréia da escritora inglesa Keren David. O fato de esse ser o livro de estréia da autora me intrigou muito por que é simplesmente, incrivelmente, muito bem escrito.

Ty é um garoto comum, vive em Londres com sua mãe jovem demais e estuda em uma escola católica. Tudo em sua vida parece calmo e normal demais. Até o dia em que ele testemunha um assassinato.

Quando isso acontece ele e sua mãe são obrigados a mudar de cidade e trocar os nomes e a aparência.

Ty se torna Joe. E tudo em sua vida vira de cabeça para baixo. Ele gosta de ser o garoto popular da escola, e isso contraria todos os pedidos que a polícia fez para que ele se tornasse o menos perceptível possível. Ele se torna um atleta e junto com todas as coisas boas que sua nova vida lhe trouxe muitas outras ruins também acontecem.

Eu gostei muito do Joe/Ty, ele é um personagem maduro mesmo com a pouca idade e todas as situações que ele passa deveriam, mas não conseguem fazer ele se tornar alguém mais retraído. Muito pelo contrário, a nova identidade faz ele se tornar um alguém muito mais popular e brilhante na carreira esportiva.

“Eles tiram uma radiografia. Eu fico deitado sozinho na mesa branca enquanto a máquina clica e zumbe por cima do meu corpo. Imagino como isso seria se essas máquinas pudessem enxergar dentro de sua mente assim como de seu corpo  e ver o emaranhado de mentiras e pensamentos e problemas que tem lá; e pudessem produzir uma imagem que capturasse a verdade interna, a pessoa real, o esqueleto da alma. Quem veriam se pudessem enxergar dentro de mim?” (trecho da página 147)

Muitas coisas acontecem e Joe precisa mudar de identidade novamente. Mas toda a vida que ele construiu como Joe pode ser perdida. Ele não quer ir embora novamente, mas é impossível continuar sendo o garoto brilhante que se mete o tempo inteiro em encrencas. Joe acaba ficando para trás, mas pode não ser por muito tempo.

Falando dos personagens; a Keren soube criar personagens muito envolventes e de alguma forma todos eles possuem segredos.

Uma leitura muito agradável e rápida. Agora estou aqui esperando ansiosamente pela continuação.

Digam-me o que acharam da resenha e o que esperam do livro.


1 comentários:

  1. Olha sou apaixonada por todas as obras da NOVO CONCEITO e vocês que tem parceria tem uma sorte danada de ter esses livros para leitura, porque é simplesmente maravilhoso. Eu fiquei muito entusiasmada com esse livro e quero muito poder ler.
    Espero poder gostar da história tanto como você gostou, até porque mudar de identidade para passar despercebido deve ser Show.
    Nossa amei sua resenha. Esse livro já tá na minha lista de desejados
    e quero muito comprar ele =]
    Se cuida querido
    bjos

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Ficamos muito felizes quando você comenta e nos faz saber no que erramos e acertamos. Comente! Isso é muito importante.

 
| Floreios e Borrões | Copyright © 2014 | Código by Ipietoon | Design Marcelle Dantas |