05 setembro 2013

Entrevista com Leonardo Alkmim



Quando eu vi a capa de "Paralelos" fiquei apaixonado, e quando li a sinopse tive certeza que precisava ler esse livro. Leonardo Alkmim, autor da obra, nos concedeu uma entrevista maravilhosa, confiram!


1- Quem é Leonardo Alkmim?
Desde sempre tive a certeza que meu caminho seria a arte. Nunca me bateu aquela angústia: o que vou fazer da vida? Sempre soube que queria escrever e escrevi meu primeiro romance aos 9 anos (A Revolução da Natureza), um livro que antecipava a onda ecológica e previa que todas as forças da natureza se revoltariam contra os seres humanos numa sucesso de catástrofes naturais. Depois escrevi um romance de formação que contava a história de um deficiente físico que durante a adolescência se descobre bissexual. Escrevi aos 14 anos. Bom, depois fui tocar bateria numa banda de rock, que era uma banda irmã do Sepultura (chama-se Black Out). Era muito amigo dos irmãos Max e Igor Cavalera, e mais amigo ainda do Paulo Xisto, baixista. Como eu tinha bateria e o Igor não, eles passavam o sábado ensaiando em casa. Mas depois me mudei pra São Paulo e me formei em Artes Cênicas na USP. Me formei como ator em 92 e trabalhei até 2000 - atuei com Alexandre Borges, Julia Lemmertz, Paulo Autran, entre outros grandes nomes. Depois tive dois filhos e então comecei a trabalhar como diretor de criação de uma agência de comunicação e marketing, a TV1 Experience. Trabalho nesta empresa até hoje. Neste meio tempo escrevi diversas peças de teatro (recebi 2 prêmios e fui indicado ao Prêmio Shell como melhor autor). Três dessas peças foram publicadas pela Giostri Editora. Paralelos é meu primeiro romance de ficção.

2- Fale um pouco sobre "Paralelos".
É uma aventura que se passa em duas dimensões - a nossa dimensão material e a dimensão da anti-matéria. Temos como personagens principais dois irmãos gêmeos que sofrem um acidente. Um deles morre e o outro é salvo por um ser da dimensão da anti-matéria. Mas este ser salvou o irmão errado por engano e assim entra um ser na dimensão antimaterial que deveria ter continuado vivo, enquanto aqui, na Terra, permanece o irmão que não tem mais o direito à vida. A partir daí desenrola-se um thriller de aventura, com muito embasamento científico e filosófico.

3- Quanto tempo durou o processo de criação dos personagens que
constituem a história de "Paralelos"?

Todo o processo durou cinco anos. Como disse, existe uma grande pesquisa. Estudei física clássica e quântica, biologia complexa, filosofia e teologia. Na verdade, todo esse embasamento é, porque além de ser um livro de aventura, ele abre reflexões existenciais e descreve o cosmo antes da existência de Deus, nega a teoria do Big Bang, propondo outra, assim como propõe respostas para os mais modernos mistérios da ciência, como a existência exótica da matéria escura e da energia escura, e explica porque o universo não está desacelerando, como os cientistas há poucos anos descobriram, e sim acelerando. Ninguém sabe o porque dessas questões e, sem ser didático, dentro de uma trama intrincada, mostro as possibilidades que abstraí dos meus estudos e muita meditação (e também da experiência de quase morte que tive, da qual falo na introdução). Costumo dizer que este livro é como o filme Matrix, ou A Origem. Eles propõem teorias sobre a composição e funcionamento do universo, tudo perfeitamente plausível. Poderia ser daquele jeito. Mas claro, não sou um cientista nem um religioso. Apenas levanto questões para que as pessoas pensem enquanto se divertem.

4- Como você encara a dificuldade de se ter um livro publicado no Brasil?

É imensa. É tão grande que dá até preguiça de falar. Mandar originais para editoras sem conhecer alguém, sem ter nenhuma indicação, é como jogar na loteria. Existe uma grande editora (que não vou mencionar) que tem 100% de negativas a livros que chegam pelo correio. Ou seja, NUNCA publicaram autores sem indicação.

5-  A sua editora foi receptiva com seu original ou você passou por
algum tipo de dificuldade antes de publicar com eles?

Tive a grande sorte de minha mãe ser amiga de infância do Luiz Fernando Emediato. Mas eles não se viam há décadas. Tive que cavar essa informação, Depois procurar o email dele. Escrevi e ele topou receber meus originais e encaminhar para a editora. Daí começou todo o processo. Tive dois pareceres muito positivos e assim decidiram assinar o contrato. O certo é que para publicar é preciso haver algum contato dentro da editora, e qualidade do texto. 

6- Alguns autores brasileiros tem uma certa facilidade em publicar e
vender, você acha que isso se deve ao fato de que eles têm boas
histórias para vender ou eles estavam no lugar certo na hora certa?

Prefiro sempre acreditar que eles tem boas histórias e sabem contar para o seu público. Acredito também em como o autor consegue se posicionar no mercado, através do marketing pessoal. Mas se a história dele não tiver poder, não vai muito adiante. Por isso respeito mesmo os autores que não gosto de ler. Pois se vendem, para alguém eles são importantes.

7- Como você encara o trabalho dos blogs literários?

Fundamental. Cada vez mais a mídia tradicional está perdendo espaço e deixando de serem formadores únicos de opinião. A tendência é que os blogs cresçam em importância, pois ninguém mais quer se sentir um número no meio da massa (principalmente leitores). Todos querem encontrar um espaço com o qual se identificam. Os blogs atendem a essa demanda. Porém, na minha opinião o maior desafio para os blogs é conquistar credibilidade. Há muita gente falando coisas sem fundamento. Passando pra frente informações falsas sem checar fontes. Por isso, antes de pensar em expandir, os blogs precisam se preocupar em ser confiáveis. A expansão, assim como o sucesso, é consequência.

8- O lançamento de "Paralelos" está chegando. Como estão as emoções
agora, sabendo que o dia se aproxima? Você acha que o livro terá uma
boa aceitação por parte dos leitores?

Graças a Deus já está tendo. O grande autor Alcides Nogueira, que escreveu o remake de O Astro, Ciranda de Pedra, JK, A próxima Vítima, e várias peças premiadas, leu e me escreveu o seguinte: "Madrugada de domingo pra segunda, 3:15 da manhã. Termino de ler Paralelos. Estou impactado! Um livro arrasador! Tão preenchido pelas palavras que não acho as minhas para dizer o que o livro provocou em mim! Estou mergulhado em águas muito profundas, que me trazem emoções que imaginava perdidas para sempre dentro do meu eu... Ou do meu não eu. Inteligência, a sensibilidade, a dor e a alegria, e tantas outras fabulações maravilhosas tecidas com maestria impressionante – o que cada vez mais raramente acontece na literatura. Quem ler a cena do Conselheiro com Quenom no sótão, não precisa ir atrás de mais nada." - Sensacional, não é? E o cineasta Toni Venturi, que dirigiu recentemente "Estamos Juntos", com o Cauã Reymond e a Leandra Leal (entre muitos outros), escreveu hoje mesmo: "Leio toda noite antes de dormir, é meu atual livro de cabeceira. Ágil, bem escrito e surpreendente. Estou curtindo muito."
Mas mesmo assim, é claro que estou super ansioso. Meu maior medo é o público não dar chance a este meu filho de mostrar o seu potencial. E eu acredito totalmente no potencial arrebatador de PARALELOS. Com ele não tenho falsa modéstia.

9- Existem novos projetos escritos por você com chance de publicação,
se sim, nos fale um pouco sobre ele(s).

Muitos. Estou no processo de escrever uma peça para o Paulo Goulart Filho, e tenho um novo livro já em andamento. Li o primeiro capítulo em um sarau da agente Cecília Dantino, com a presença de muita gente interessante, e parece que temos um bom material ali. Tenho um livro praticamente pronto, chamado MEU PRÍNCIPE SOU EU, mas ainda não sei se está pronto para ir ao mundo. Trata do universo feminino. E outros dois, rascunhados, mas em estado embrionário ainda. 

10- Para Finalizar, mande um recado de incentivo á leitura aos
leitores do Floreios e Borrões.

O maior valor de um ser humano é sua capacidade de pensar, abstrair, sonhar, construir mapas mentais. Ou seja, o valor está na inteligencia, não apenas em cálculos, mas na inteligência que se une à emoção e ao desconhecido. E seja no nível pessoal ou no nível profissional, pessoas que possuem esse tipo de inteligência são muito mais valorizadas - como amigos, como colaboradores, como parceiros, como profissionais. Nós queremos gente com inteligência quente ao nosso lado. E a única maneira de desenvolver esse tipo de inteligência é lendo. Ler consolidou a nossa capacidade mental por meio da linguagem e nos separou dos animais. Hoje ler continua nos separando dos animais que nos rodeiam. Se você não é nem quer ser um simples animal social, leia. Tudo e qualquer coisa. Mas leia.

Abraços.

Leonardo Alkmim

Capa - Paralelos - Floreios e Borrões (blog)



 Dia 19 de setembro tem lançamento de “Paralelos”  - A partir das 18:30h

2 comentários:

  1. Gostei muito da entrevista, fiquei imaginando a luta dos autores novatos pra conseguir uma chance de publicação de seu livro...fiquei também interessada nesse livro do Leonardo, pretendo ler assim que possível, espero que ele tenha muito sucesso e possa lançar vários outros trabalhos! :)

    ResponderExcluir
  2. Oi Alef!
    Parabéns pela entrevista!
    essa coluna é mto interessante pq é sempre bom conhecermos mais sobre as obras e os autores.
    Leonardo Alkmim escreveu o 1º livro aos 9 anos! Isso é que é talento nato! E que trajetória bonita de trabalho, luta e reconhecimento!
    Nossa literatura nacional está em ótima fase e Paralelos tem uma premissa bacanérrima! A física é a mais humana das matérias de exatas :))
    Certamente vou colocar o livro na minha lista de desejados.
    Sucesso Leonardo e felicidades!
    bjs

    ResponderExcluir

Ficamos muito felizes quando você comenta e nos faz saber no que erramos e acertamos. Comente! Isso é muito importante.

 
| Floreios e Borrões | Copyright © 2014 | Código by Ipietoon | Design Marcelle Dantas |