03 agosto 2012

Resenha – Sorte ou Azar – Meg Cabot





Sinopse - "Mais um sucesso da mega vendedora de livros Meg Cabot. A falta de sorte parece perseguir Jinx onde quer que ela vá — e por isso ela está tão animada com a mudança para a casa dos tios, em Nova York. Talvez, do outro lado do país, Jinx consiga finalmente se livrar da má sorte. Ou, pelo menos, escape da confusão que provocou em sua pequena cidade natal. Mas logo ela percebe que não é apenas da má sorte que está fugindo. É de algo muito mais sinistro... Será que sua falta de sorte é, na verdade, um dom, e a profecia sob a qual ela viveu desde o dia que nasceu é a única coisa que poderá salvá-la?"











Minha opinião – Eu sei que vocês devem estar se perguntando porque escolhi esse livro. Na verdade, eu diria que esse livro me escolheu. Esse livro não é um lançamento, mas até hoje os livros da Meg Cabot que li não me decepcionaram. Por isso, eu realizei uma troca no Skoob e recebi o livro.
Jean Honeychurch, ou Jinx, é uma garota de 16 anos muito azarada, e o apelido que recebeu quando nasceu confirma; pois Jinx significa azarada, pé frio. Com sua tremenda falta de sorte, provoca um incidente em sua cidade natal, que é um mistério total até quase o fim do livro e muda-se para Nova York, para passar um tempo com seus tios e primos, além de torcer para que sua má sorte não a acompanhe. Quando chega em Manhattan, o seu jeito meigo traz alegria para a casa, e ela acaba se entrosando muito bem com os tios, seus primos mais novos e a babá das crianças (que por sinal é uma personagem muito fofa), porém, não ocorre muito entusiasmo por parte da sua prima Tory - ou Torrance, como gosta de ser chamada – Jinx, que só teve contato com Tory na infância, choca-se com o seu novo visual e atitude: seu cabelo loiro agora é preto, e ela realmente acredita ter herdado o dom de sua "tatataravó" Branwen, deixando de ser a menina gentil que gostava de passar o tempo com Jinx . Agora é praticante de wicca, mesmo não entendendo os conceitos básicos do mesmo, e sendo um clichê ambulante (veste-se de preto da cabeça aos pés; é totalmente ameaçadora e instável!!). Bom Carol, e que dom é esse? Este dom é nada mais nada menos que o dom da magia, que segundo a "lenda da família" deveria ser herdado por apenas uma das garotas da família.
No meio disto tudo, Jean se torna amiga de  Zach, vizinho e colega de sua prima (e coincidentemente, Tory  é obcecada por ele. Eu realmente não acredito que ela é apaixonada pelo Zach, devido as suas atitudes). Essa amizade entre os dois deixa a Tory mais doida do que o normal (o que não é pouca coisa!) e ela começa a fazer coisas insanas (sim, ela consegue ser mais insana ainda).
Para não contar mais da história e deixar vocês querendo ler o livro, vou apenas comentar sobre os três personagens principais e a minha impressão deles:
Jinx é meiga, totalmente responsável e tenta ser uma boa amiga para Zach. Mesmo estando interessada nele, ela tenta ajudá-lo com outra pessoa. É muito madura perante as armações da prima, porém não tem muita auto-confiança.
Zach é um garoto super cabeça mas devo dizer que é meio tonto em relação as garotas rs.
Tory... o que dizer da Tory? Eu realmente acho que a autora abusou um pouco dos clichês com essa personagem, mas ela comete algumas barbaridades que me deixaram de olhos arregalados. Resumindo, Tory é uma louca, instável e totalmente MALUCA!!
Claro que existem outros personagens que roubam a cena em alguns momentos, mas para saber um pouco mais sobre eles, vou deixar vocês lerem o livro.
Bom, eu acho que deu para perceber que a história tem magia, romance e muita confusão!

Espero que tenham gostado da resenha !

8 comentários:

  1. Oie,

    Fiquei aqui me perguntando se você recomenda o livro, ou ainda está decepcionada com a autora...kkkkk...mas gostei da resenha...bjus elis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carolina Durães03/08/2012 10:55

      Bom dia Elisandra, tudo bem?
      Meg Cabot ainda não me decepcionou.. sempre que eu preciso de uma leitura leve, engraçada ou romântica eu sei que posso contar com a autora!!
      Que bom que gostou da resenha!
      Beijos

      Excluir
  2. Oiii ..
    Amei sua Resenha ..já li o livro recomendo muito ..
    a Meg é uma ótima escritora a gente sempre pode ler os livros dela sem receios de serem ruins =)
    beijos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carolina Durães03/08/2012 11:49

      Oi Pricila, tudo bem?
      É verdade, os livros da Meg até agora (pelo menos os que eu li) são maravilhosos...
      Beijos

      Excluir
  3. Nunca li os livros dela, todo mundo fala beem dela mas nunca li ou comprei um livro dela, coloquei esse livro nos desejados assim como outros, quem sabe na minha ´proxima compra de livros sejam dela haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carolina Durães03/08/2012 14:56

      Oi Priscila, tudo bem? Sabe aquele livro que tem romance, um pouquinho de confusão, algumas cenas engraçadas, mas sem exagerar? É assim que eu geralmente descrevo os livros da Meg Cabot.... eu até diria que eles são cut cut, o tipo de leitura que você faz quando está de mau humor e se sente melhor ao terminar o livro rs...
      Beijos

      Excluir
  4. Acho que cheguei a ler algumas resenhas e até um vídeo falando sobre esse livro e pelo que eu me lembro, o pessoal não gosta muito dele não... :S Eu mesma nunca li nada da Meg Cabot, então nem posso opinar, mas assim como os outros livros da autora, esse também está na minha listinha "Vou ler".

    PS: senti falta da sua opinião nessa resenha. Você falou da história e das suas irritações com um dos personagens, mas não falou se tinha ou não gostado do livro. >_< E ai, gostou ou não? =P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carolina Durães15/08/2012 18:16

      Oi Janaína, tudo bem?
      Gostei sim do livro... eu nem percebi o quanto li dele em um dia de tão gostosa que foi a leitura..
      Beijos

      Excluir

Ficamos muito felizes quando você comenta e nos faz saber no que erramos e acertamos. Comente! Isso é muito importante.

 
| Floreios e Borrões | Copyright © 2014 | Código by Ipietoon | Design Marcelle Dantas |